Governo empregará R$ 147,3 bilhões em medidas emergenciais devido aos efeitos do coronavírus

Governo empregará R$ 147,3 bilhões em medidas emergenciais devido aos efeitos do coronavírus

Na última segunda (16) foram divulgadas medidas emergenciais devido à pandemia do coronavírus no país pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ele, os principais objetivos de injetar R$ 147 bilhões na economia nos próximos três meses é, principalmente, a proteção aos mais vulneráveis (especialmente os idosos) e a manutenção dos empregos. 

O ministro fez questão de deixar que o governo não está de braços cruzados vendo o coronavírus fazer estragos enormes na economia. Sendo assim, foram determinadas várias medidas para combater a pandemia.
 


 

Que medidas serão empregadas?


Conforme Guedes, as medidas são divididas em três grupos: apoio aos mais vulneráveis, manutenção de empregos e combate à pandemia. No primeiro serão aplicados até R$ 83,4 bilhões, no segundo até R$ 59,8 bilhões e no terceiro, pelo menos, R$ 4,5 bilhões serão retirados do DPVAT para o SUS no combate direto à pandemia. Entre as medidas, estão:
 

  • Redução da contribuição para o sistema S (Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Serviço Social do Comércio (SESC), Serviço Social da Indústria (SESI) e Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio (SENAC);

  • Linha de crédito especial para micro e pequenas empresas;

  • Adiamento de parte da União do Simples Nacional por 3 meses;

  • Adiamento do prazo de pagamento do FGTS por 3 meses.

  • Antecipação do 13º para aposentados e pensionistas para abril-maio;

  • Antecipação do abono salarial;

  • Valores não sacados pelo PIS e PASEP serão transmitidos para o FGTS para permitir novos saques;

  • Redução do teto de juros do empréstimo para aposentados e pensionistas, aumento da margem consignável e prazo de pagamento.

 


 

Os grandes bancos brasileiros também se pronunciaram e estão engajados em continuar colaborando com o país 


O Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco e Santander anunciaram que estão abertos a prorrogar, por até 60 dias, os pagamentos de dívidas que estão sendo pagas em dia de pessoas físicas e micro e pequenas empresas. Segundo o comunicado divulgado pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), os bancos “ficarão à disposição do público e prontos para apoiar todos os que estejam enfrentando dificuldades momentâneas em função do atual contexto”. 

 

Caixa Econômica Federal


A Caixa informou que destinará R$ 75 bilhões para estimular a economia, sendo R$ 40 bilhões para capital de giro, R$ 5 bilhões para o setor agrícola e R$ 30 bilhões para a compra de carteiras de créditos de pequenos e médios bancos. Além disso, divulgou que disponibilizará mais R$ 78 bilhões para novos empréstimos, sendo que R$ 3 bilhões serão destinados a hospitais e Santas Casas (atendidas pelo SUS - Sistema Único de Saúde).

Também anunciou ontem (19), que reduzirá até 23% as taxas de juros de empréstimos e que proverá uma carência de seis meses. Além disso, adiará o pagamento de contratos de crédito (inclusive financiamentos habitacionais) por dois meses, para os que já estão vigentes, tanto para pessoas físicas como jurídicas. O benefício entrará em vigor a partir da próxima segunda-feira, 23 de março.

 

Banco do Brasil (BB)


Na última quarta (18), o BB anunciou que fará um reforço de R$ 100 bilhões de suas linhas de crédito para atender clientes em meio à crise, sendo que quase metade do montante será destinado para empresas. Já para as pessoas físicas, estima-se que o banco irá oferecer mais R$ 24 bilhões em linhas de crédito pessoal — consignado, crédito salário e crédito automático, segundo o portal Valor Econômico. 
 


 

Últimas notícias sobre o coronavírus:

 

  • Mato Grosso tem primeiro caso confirmado.

  • O Brasil fecha fronteiras terrestres com 9 países sul-americanos até 31/03.

  • Toyota suspende produção no Brasil por combate ao coronavírus.

  • Profissionais de saúde do RJ reclamam da falta de condições para trabalhar com pacientes de Covid-19.

  • Bolsonaro diz que não há nenhum problema entre o governo brasileiro e o chinês

  • Até o momento, há ao menos 10.031 mortos e mais de 245 mil pessoas infectadas por Covid-19 no mundo, diz universidade norte-americana Johns Hopkins.

  • Segundo dados do Ministério da Saúde, o número de casos confirmados saltou de 428 para 621 nesta semana e, até o momento, foram registradas seis óbitos em decorrência da doença – quatro em São Paulo e duas no Rio de Janeiro.

 


Busca ajuda financeira?


Na Kreditiweb analisamos o teu caso pessoalmente e encontramos os produtos que mais adaptam-se ao teu perfil.

  • Com as melhores condições
  • Resposta em 2 minutos
  • GRÁTIS e sem compromisso
     

 

Publicado por Kreditiweb

comentarios0 comentários

Deixe um comentário

Ao confirmar o envio da pergunta, você aceita os termos de uso e política de privacidade Termos de Uso e Política de Privacidade.
Cargando

Seu comentário foi adicionado corretamente

Muito obrigado por enviar um comentário. Seu comentário será revisado e se cumpre com os requisitos será publicado.

Erro a adicionar seu comentário